Home Economia Brasil Empresas Comércio perdeu mais de 40 mil empresas e 412 mil empregos em 2015

Comércio perdeu mais de 40 mil empresas e 412 mil empregos em 2015

0

No primeiro ano da crise, em 2015, foram fechadas 30 mil lojas, e o salário médio recuou 0,8%, segundo o IBGE

A deterioração no mercado de trabalho e a inflação alta afastaram os consumidores das compras em 2015. A redução nas vendas já era conhecida, mas o resultado da Pesquisa Anual de Comércio daquele ano mensura o impacto da crise no comércio brasileiro: fechamento de estabelecimentos, demissão de funcionários e queda no salário médio. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Foi a primeira vez que tivemos redução no número de trabalhadores ocupados, queda nos salários e redução na receita operacional líquida”, contou Danielle Oliveira, gerente da pesquisa do IBGE, com série histórica iniciada em 2007.

Em 2015, foram fechadas 30 mil lojas, e 40 mil empresas do ramo do comércio encerraram suas atividades, o que resultou em 412 mil postos de trabalho extintos no setor. Ao fim do ano, o País tinha 1,573 milhão de empresas dedicadas ao comércio, que geraram R$ 3,1 trilhões de receita operacional líquida e R$ 550,5 bilhões de valor adicionado bruto. Naquele ano, foram pagos R$ 206,3 bilhões de salários a 10,3 milhões de pessoas ocupadas, em 1,705 milhão de estabelecimentos.

Segundo o IBGE, o desempenho do comércio foi impactado por variáveis que determinam o comportamento do consumidor. Em 2015, a restrição ao crédito e a redução na renda diminuíram a confiança do consumidor e, consequentemente, o consumo das famílias.

“O cenário é de depressão do crédito, de queda na renda, de uma retração econômica de 3,8% conforme os resultados do Produto Interno Bruto (PIB). O comércio seguiu a mesa tendência dos outros dados da atividade já divulgados”, lembrou Danielle.

A receita operacional líquida do comércio caiu 0,5% na passagem de 2014 para 2015. O número de unidades locais ficou 1,7% menor. O mau desempenho teve consequências para o mercado de trabalho no setor. O número de vagas diminuiu 3,9% em relação a 2014, enquanto o salário médio mensal real de quem permaneceu empregado encolheu 0,8%. Como consequência, a massa salarial real paga aos trabalhadores foi reduzida em 1,7%.

O salário médio pago pelas empresas comerciais brasileiras foi de 2 salários mínimos. O comércio atacadista tinha o maior salário médio em 2015, 2,9 salários mínimos. Entre as atividades, os salários mais elevados foram do comércio atacadista de combustíveis e lubrificantes (6,2 salários mínimos) e comércio atacadista de equipamentos e produtos de tecnologia de informação e comunicação e comércio de máquinas, aparelhos e equipamentos; e produtos químicos (4,4 salários mínimos).

Em relação à Produtividade, o destaque também foi o comércio atacadista, com R$ 111.351 de valor adicionado gerado por pessoa ocupada, contra uma média de R$ 53.579 no total da pesquisa. Entre as atividades, a liderança foi também do comércio atacadista de combustíveis e lubrificantes: R$ 348.417 por trabalhador.

O segmento de comércio de veículos, peças e motocicletas teve o pior desempenho no ano, com queda de 11,0% na receita operacional líquida, recuo de 4,2% no pessoal ocupado e redução de 0,8% no número de unidades locais. Ainda assim o segmento aumentou em 0,3% o salário médio mensal dos trabalhadores que permaneceram ocupados.

Tags
Carregar outros posts relacionados

Check Also

Seis filmes que ensinam sobre finanças pessoais

Um casal afundado em dívidas que após perder toda a fortuna que ganhou em um prêmio de lot…