Home Economia Brasil FMI eleva projeção de crescimento do PIB do Brasil de 0,2% para 0,3%

FMI eleva projeção de crescimento do PIB do Brasil de 0,2% para 0,3%

0

No longo prazo, o FMI considera uma taxa estável de 2% de expansão do Produto Interno Bruto (PIB)

O Fundo Monetário Internacional elevou levemente a projeção para o crescimento do Brasil em 2017, de 0,2% para 0,3%, mas baixou a previsão para 2018, de 1,7% para 1,3%. No longo prazo, o FMI considera uma taxa estável de 2% de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2019 a 2022. As previsões fazem parte da conclusão do Artigo Quarto de Consultas do FMI ao País e que tem a aprovação do conselho executivo do Fundo.

“Enquanto o fim da recessão aparenta estar à vista, uma recente elevação da incerteza política colocou uma sombra sobre a perspectiva econômica”, aponta o FMI. “A capacidade do governo de entregar a reforma da Previdência Social, um passo necessário na direção de assegurar a sustentabilidade fiscal, ficou mais incerta, e, com eleições nacionais marcadas para 2018, está fechando a janela para ação legislativa.” A avaliação do Fundo é que, se a reforma não for aprovada, há risco de a projeção para o PIB do ano que vem ser novamente reduzida.

O FMI baixou suas previsões para o IPCA, o índice oficial de inflação do País, para este ano e o próximo. Para 2017, a estimativa recuou de 4,4% para 4,0% e para 2018 baixou de 4,3% para 4,0%. De 2019 a 2022, o Fundo prevê que o IPCA terá um nível de alta de 4,0% para todos os anos deste período.

Na avaliação do Fundo, tanto as projeções para PIB como para inflação fazem parte de um contexto macroeconômico no qual é adotado um “conjunto suficientemente forte de medidas”, com maior destaque para a reforma da Previdência Social.

De acordo com o FMI, a instabilidade política e efeitos colaterais de investigações de corrupção são “as maiores fontes de riscos que podem ameaçar a agenda de reformas e a recuperação” do nível de atividade do País.

“O principal risco é de que a reforma da Previdência Social seja gravemente diluída ou adiada para o próximo governo, provocando reação adversa de mercado no curto prazo e necessitando de medidas fiscais adicionais ao longo do tempo”, apontou o Fundo. Para a instituição multilateral, os grandes riscos externos são um aperto mais rápido do que o esperado das condições financeiras globais e, com menor probabilidade, uma significativa desaceleração da China.

Na avaliação do FMI, a desinflação continua no Brasil e provê mais espaço para a redução dos juros pelo Banco Central, que desde setembro de 2016 reduziu os juros em quatro pontos porcentuais até recentemente, quando atingiram 10,25% ao ano em junho deste ano.

Para o Fundo, “a abertura do hiato do produto, taxa de câmbio apreciada e expectativas de inflação em declínio”, junto com um choque de preços de alimentos, colaboraram para elevar a velocidade da desinflação desde o final do ano passado.

Segundo o Fundo, a recessão foi o principal fator para o ajuste das contas externas do Brasil, o que levou o déficit de transações correntes como proporção do PIB a baixar de 3,3% em 2015 para 1,3% em 2016.

“O Brasil continuou a atrair um volume expressivo de capitais. A taxa de câmbio flexível tem sido um importante absorvedor de choques”, aponta o Fundo. As reservas internacionais continuam com uma fonte de proteção para o País, que atingiu US$ 365 bilhões ao final de 2016.

Segundo o FMI, a saúde do setor bancário tem registrado avanços. “Apesar da recessão, os lucros antes de impostos aumentaram devido a altas margens de juros e custos mais baixos para funding.” Para o Fundo, a liquidez dos bancos aumentou, “pois pararam os saques de poupança e aumentaram as posições das instituições financeiras de ativos líquidos”.

Carregar outros posts relacionados

Check Also

Seis filmes que ensinam sobre finanças pessoais

Um casal afundado em dívidas que após perder toda a fortuna que ganhou em um prêmio de lot…