Home Economia Brasil Empresas Justiça ordena buscas em escritórios da Odebrecht na Argentina

Justiça ordena buscas em escritórios da Odebrecht na Argentina

0

O juiz autorizou a operação após a descoberta de que 260 arquivos relacionados a investigação foram apagados do computador de um dos diretores

Buenos Aires – Um juiz argentino ordenou nesta quarta-feira o cumprimento de mandados de busca e apreensão nos escritórios da Odebrecht em Buenos Aires dentro da investigação de superfaturamento na contratação de obras públicas em 2008, confirmou à Agência Efe a construtora brasileira.

O magistrado federal Sebastián Casanello autorizou a operação depois que foi divulgado que a Polícia Federal descobriu que foram apagados 260 arquivos de um computador de um dos diretores da empresa que continham termos relacionados com o caso.

Nesta quarta-feira, a Odebrecht assegurou em uma nota enviada à Efe que no início de maio se apresentou perante a Justiça e se dispôs a colaborar “de forma ampla e definitiva” nas investigações.

Além disso, manifestou sua intenção de “reconquistar” a confiança da sociedade, após o estalo do escândalo de corrupção, por meio de uma atuação empresarial “íntegra, ética e transparente”.

Casanello investiga supostas irregularidades e superfaturamentos na contratação de várias empresas por parte da estatal AySA, a maior companhia de serviços de distribuição de água e saneamento da Argentina, para a construção de uma usina potabilizadora em 2008.

No caso estão indiciados vários funcionários da empresa pública – como seu ex-titular, Carlos Ben – e representantes de empreiteiras, entre as quais se encontra a Odebrecht.

Há duas semanas, Casanello solicitou ao governo informação sobre possíveis registros de visitas oficiais de determinados empresários à Casa Rosada – sede do Executivo -, ao Ministério da Economia e à residência presidencial de Olivos, nos arredores de Buenos Aires.

O juiz realizou tal petição depois que o procurador do caso, Federico Delgado, lhe enviou um vídeo de 2013 que mostra brevemente como a então presidente, Cristina Kirchner (2007-2015), recebe representantes da construtora brasileira para uma reunião oficial.

Segundo declararam fontes judiciais à Efe, este suposto encontro não representa um fato delitivo em si e a ex-presidente também não está indiciada no caso, mas poderia tratar-se de “um indício a mais” da existência destas irregularidades.

A investigação começou no final do ano passado por causa de uma denúncia da deputada de centro-esquerda Margarita Stolbizer pelo suposto pagamento de subornos da Odebrecht à AySA entre 2007 e 2014.

O Executivo de Mauricio Macri afirmou há alguns dias que considera que a procuradoria argentina não está sendo efetiva em suas investigações e que considera necessário esclarecer os supostos fatos de corrupção relacionados com a empresa brasileira, que conta com importantes contratos de obras no país.

Nesse sentido, o ministro da Justiça, Germán Garavano, se reuniu nesta terça-feira em Buenos Aires com os advogados da empresa para solicitar informação.

 

Carregar outros posts relacionados

Check Also

Seis filmes que ensinam sobre finanças pessoais

Um casal afundado em dívidas que após perder toda a fortuna que ganhou em um prêmio de lot…