Home Economia Brasil Empresas Provisão de bancos contra calote cresce 44% em dois anos

Provisão de bancos contra calote cresce 44% em dois anos

0

No primeiro trimestre deste ano, provisão para perda com calotes ultrapassou R$ 150 bilhões em instituições financeiras de grande porte

A dificuldade das empresas tem efeito colateral forte sobre outro segmento, o sistema financeiro, e se reflete nos balanços dos grandes bancos brasileiros. A provisão para perda com calotes tem crescido. No primeiro trimestre deste ano, ultrapassou 150 bilhões de reais nos grandes bancos. Em dois anos, em relação a esse período, cresceu 44%. Na avaliação da economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, “o quadro é grave”.

“As empresas estão muito alavancadas e com dívidas em atraso, enquanto o crédito bancário contraiu muito”, diz ela. “A pré-inadimplência e a inadimplência bancária estão somadas em patamares elevados e recordes. Isso em quadro de queda de faturamento real. O crédito para pessoa jurídica sumiu, o crédito livre em termos reais está em patamares recordes de baixa na série que começa em 2001.”

Zeina frisa que qualquer empresa com dificuldade financeira e sem crédito vai levar mais tempo para se recuperar, então, é natural que comecem o trabalho pela reestruturação financeira. “Primeiro, precisam equilibrar as finanças e recuperar o caixa, para então reavaliar decisões de produção e de investimento.”

Todo esse trabalho já é complicado para as grandes empresas, mas Zeina lembra que é ainda mais complicado para os pequenos negócios. “O quadro é particularmente severo para médias e pequenas empresas onde a inadimplência é mais elevada e a oferta de crédito ainda mais restrita. Os bancos estão mantendo a rolagem de dívida para grandes empresas. Não é o caso das médias e pequenas.”

Todos os segmentos, enfim, diz Zeina, precisam ser mais conservadores na hora de reorganizar as finanças e a estrutura operacional. “A recuperação da economia será mais lenta que o usual”, diz Zeina.

Novo patamar – Na avaliação de Armando Castelar, coordenador de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (IBRE/FGV), também é preciso ter em mente que a recuperação, quando vier, não vai devolver todos os setores ao mesmo patamar que ocupavam antes.

“Setores ligados ao agronegócio e à mineração até podem retomar uma condição semelhante, mas vamos lembrar que o que fez o Brasil crescer mais rápido de 2004 a 2012 foram setores alavancados pelo crédito: comércio, serviços, construção, intermediação financeira e, olhando para frente, a volta não vai ser igual para eles. Terão de se reestruturar operacionalmente”, diz Castelar.

(Com Estadão Conteúdo)

Carregar outros posts relacionados

Check Also

Seis filmes que ensinam sobre finanças pessoais

Um casal afundado em dívidas que após perder toda a fortuna que ganhou em um prêmio de lot…