Home Economia Brasil Contas Públicas Setor público tem rombo recorde de R$ 35 bilhões no primeiro semestre

Setor público tem rombo recorde de R$ 35 bilhões no primeiro semestre

0

Em junho, houve déficit primário de R$ 19,5 bilhões, o pior para o mês desde o início da série histórica, em dezembro de 2001

Em meio às dificuldades do governo na área fiscal, o setor público consolidado (Governo Central, estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 35,1 bilhões no primeiro semestre de 2017. A quantia representa 1,11% do Produto Interno Bruto (PIB). No mesmo período do ano passado, havia rombo de R$ 23,7 bilhões (0,78% do PIB).

Além disso, houve déficit primário de R$ 19,5 bilhões em junho, informou nesta sexta-feira (28/7) o Banco Central. O rombo é o pior resultado para o mês desde o início da série histórica, iniciada em dezembro de 2001. Em maio, houve rombo de R$ 30,7 bilhões e, em junho de 2016, déficit de R$ 10 bilhões.

O resultado fiscal no acumulado de janeiro a junho foi obtido com um déficit de R$ 54,7 bilhões do Governo Central (1,72% do PIB). Os governos regionais (estados e municípios) apresentaram um saldo positivo de R$ 18,9 bilhões (0,6% do PIB).Enquanto os estados registraram superávit de R$ 15,2 bilhões (0,48% do PIB), os municípios alcançaram um resultado positivo de R$ 3,7 bilhões (0,12% do PIB). As empresas estatais registraram um superávit de R$ 575 milhões no primeiro semestre deste ano (0,02% do PIB).

Junho
O resultado fiscal de junho foi composto por um déficit de R$ 19,9 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Os governos regionais (estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 240 milhões no mês.

Enquanto os estados registraram um superávit de R$ 346 milhões, os municípios tiveram resultado negativo de R$ 107 milhões. Já as empresas estatais registraram superávit primário de R$ 145 milhões.

O déficit primário do setor público consolidado considerado pelo Banco Central é de R$ 143,1 bilhões para 2017, parâmetro que consta na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Essa projeção leva em conta um rombo de R$ R$ 139 bilhões para o Governo Central em 2017.

Nesta semana, porém, aumentaram as especulações em Brasília e no próprio mercado financeiro em torno da possibilidade de alteração da meta deste ano. Isso porque os resultados fiscais têm frustrado o governo, que está com margem apertada para cumprir a meta.

Em 12 meses até junho, as contas do setor público acumulam déficit primário de R$ 167,1 bilhões, o equivalente a 2,62% do PIB. Este porcentual é o maior desde setembro de 2016 (3,04%).

Déficit nominal
O setor público consolidado registrou déficit nominal de R$ 51 bilhões em junho. Em maio, o resultado nominal havia sido deficitário em R$ 66,9 bilhões e, em junho de 2016, negativo em R$ 32,1 bilhões.

No mês passado, o Governo Central registrou déficit nominal de R$ 48 bilhões. Os governos regionais tiveram saldo negativo de R$ 2,7 bilhões, enquanto as empresas estatais registraram déficit nominal de R$ 272 milhões.

Em relação ao PIB, o déficit nominal no primeiro semestre de 2017 foi de 7,6%, uma soma de R$ 241,767 bilhões. Em 12 meses até o mês passado, o déficit nominal correspondeu a 9,5% do PIB, com saldo negativo de R$ 607 bilhões.

Gasto com juros
O setor público consolidado teve gasto de R$ 31,5 bilhões com juros em junho, após esta despesa ter atingido R$ 36,2 bilhões em maio, informou o BC.

O Governo Central teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 28,1 bilhões. Já os governos regionais registraram gasto de R$ 2,9 bilhões e as empresas estatais, de R$ 417 milhões.

No ano, o gasto com juros subiu de R$ 175,073 bilhões até maio para R$ 206,584 bilhões até junho (6,49% do PIB). Em 12 meses, as despesas com juros subiram de R$ 430,898 bilhões para R$ 440,297 bilhões até junho (6,89% do PIB).

Dívida Líquida
A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) subiu para 48,7% do PIB em junho, ante 48,1% em maio. Em dezembro de 2016, estava em 46,2% do PIB. A dívida do Governo Central, governos regionais e empresas estatais terminou o mês passado em R$ 3,1 trilhões. O BC previa que a relação da DLSP com o PIB chegaria a 48,5% em junho.

Já a dívida bruta do governo geral encerrou o mês passado em R$ 4,6 trilhões, o que representou 73,1% do PIB. É o maior porcentual da série iniciada em dezembro de 2006. Em maio, essa relação estava em 72,5% e a previsão do BC para o resultado do mês passado era de uma taxa de 73,1%. No melhor momento da série histórica, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.A dívida bruta do governo é uma das principais referências para avaliação, por parte das agências globais de rating, da capacidade de solvência do país.

Carregar outros posts relacionados

Check Also

Seis filmes que ensinam sobre finanças pessoais

Um casal afundado em dívidas que após perder toda a fortuna que ganhou em um prêmio de lot…