Início Economia Brasil Contas Públicas Queda do PIB confirma continuidade da ‘mais intensa recessão da história’, diz Fazenda

Queda do PIB confirma continuidade da ‘mais intensa recessão da história’, diz Fazenda

0

Pasta comandada por Henrique Meirelles acrescentou que, após pacote econômico, recuperação deve começar a ser vista

O Ministério da Fazenda disse que o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre deste ano, que teve queda de 0,3% na comparação com os três meses anteriores, confirmou que “teve continuidade a mais intensa recessão de nossa história, a qual, dentre outros aspectos, gerou um contingente de 11 milhões de desempregados”.

“Nos próximos trimestres, entretanto, em grande parte como consequência da implementação tempestiva de iniciativas recentemente anunciadas, deve ter início o processo de recuperação da economia brasileira”, acrescentou a pasta, em nota à imprensa.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a retração do PIB nos três primeiros meses deste ano representou a quinta baixa trimestral seguida da economia brasileira. Em 2015, a economia brasileira retraiu 3,8%, o pior resultado em 25 anos.

No último boletim Focus, o mercado financeiro projetou uma contração de 3,81% para o PIB este ano e uma alta de 0,55% para 2017. Já a OCDE prevê uma recessão ainda mais aguda: contração de 4,3% em 2016, seguida por uma nova queda, de 1,7%, em 2017, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira.

Tesouro no governo Dilma deu garantias a quase US$ 40 bilhões das dívidas externas dos Estados

OCDE piora projeção para PIB do Brasil em 2016 e 2017

IBGE – Apesar de a queda de 0,3% no PIB ter sido o melhor resultado nesta comparação desde os últimos três meses de 2014 (+0,2%), não houve melhora na atividade, disse a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis. “Melhora, por enquanto, não houve. Mesmo na margem, a taxa é negativa”, afirmou.

Segundo Rebeca, a conjuntura do primeiro trimestre de 2016 está muito parecida com a do último trimestre do ano passado. “Inflação e juros continuaram em patamar parecido”, disse. Por isso, apesar do número menos negativo na margem, não é possível dizer que a atividade mostrou reação. “Não há uma melhora de taxas ‘espalhadas’. Continua o ‘espalhamento’ de taxas negativas pela economia como um todo”, acrescentou.

Veja Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Governo zera impostos de importação sobre bens de capital e de informática

Benefício é concedido a itens que não têm produção nacional equivalente Brasília — A secre…